major eléctrico


quarta-feira, outubro 25, 2006
--------------------------------------------------------------------

Compras 23.10.2006

Companion «This Is A Test» 7" Barclay 1981
Boris Midney «D-D-D-Dance» 12" MI 1983
Companion é outro dos nomes para Boris Midney. O subtom electrónico em algumas das suas produções coloca esta música não dentro do Disco mas ao lado. «This Is a Test» e em particular «o lado B «Step On Out» têm arranjos fora do normal; «Step On Out» falha um pouco no refrão, de resto é uma canção Disco quase imaculada que não revela de forma alguma o ano em que foi gravada: 1981. Menos ainda o inacreditável «D-D-D-Dance», dois anos à frente, a milhas de tudo o que já ouvi em música de dança da época. Versões vocal e instrumental mais duas faixas de beats totalmente dominadores, por este produtor russo emigrado para Nova Iorque nos 70s.
Deutsch Amerikanische Freundschaft «Gold Und Liebe» LP Virgin/Edisom 1981
Os DAF inventaram a Electronic Body Music com a mistura entre máquinas e sexo. Edição portuguesa de 81, inclui «Liebe Auf Den Ersten Blick», «El Que» e mais 8 temas sem prisioneiros. Punk minimal, chamavam alguns.
Set The Tone «Shiftin Air Affair» MLP Island/Dacapo 1983
Ao folhear algumas edições da «Música & Som» (muito cuidado com a actual versão zombie online), reparei num texto de Amilcar Fidélis sobre discos esquecidos de 1983. «Shiftin Air Affair» estava na lista. Street funk/electro cruzado com o tipo de cena de A Certain Ratio, pouco comercial, soa estranho até, «All Tied Up» parece que vai começar a ser House, a certa altura. Demasiada voz nesta faixa mas, nos intervalos, wow!
Lipps, Inc. «Pucker Up» MLP Casablanca/Phonogram 1980
Inclui «How Long», não na desejada versão 12" (é uma questão de tempo). O resto esquece-se muito facilmente.
Dennis Parker «Like An Eagle» 7" 1979
Última faixa em «Creature Of The Night» de Radio Slave, incrível balada Disco, derrete tudo à passagem. O rosto clone (não se consegue ver se usa Levi's e botas de operário de construção civil) ajuda no carisma desta canção sobre engate. O lado B soa demasiado Village People.
Supermax «Love Machine Part I & II» 7" Atlantic 1977
Supermax «African Blood Part I & II» 7" Elektra 1979
You can call him AL: na festa da Flur/Bica do Sapato neste Verão fiquei sintonizado em Peter Green e Supermax, duas coisas que o AL passou e arrasaram. Supermax é Kurt Hauenstein, austríaco louro e de bigode frequentemente rodeado de negros em ambiente Funkadelic. «African Blood» e «Love Machine» já são conhecidos de re-edits, estas são as versões fragmentadas em 7" (mais uma vez, conseguir as versões inteiras em 12" é uma questão de tempo), mas a riqueza e poder de ambas as faixas esmagam. «African Blood» tem o mistério da selva africana aplicado a uma pista Disco. demasiado bom!
Peter Green «In The Skies» LP PVK/Rossil 1979
Fundador de Fleetwood Mac e, depois, uma das cabeças com sérios problemas de droga nos 70s, Peter Green tinha os blues no sangue mas este álbum ultrapassa a categorização. «Tribal Dance» é a óbvia referência baleárica aqui, ritmo e luz em harmonia perfeita, mas «Just For You» é a balada em que a voz tem reverb e o coração bate mais. Metade do disco é demasiado FM, a outra metade faz pensar em coisas óptimas que NUNCA iremos descobrir em álbuns aparentemente repelentes dos 70s.




2 Comentários:

em 2:29 da manhã, Blogger prozac disse...

Queria ouvir mas só aparecem links para este mesmo blog:) 45:33 está a dar cabo do circuito...
JP

 
em 12:32 da manhã, Anonymous Funkula disse...

Love Machine Part & African Blood!
Tenho comichão nos ouvidos Major! Quero isso!

 

Enviar um comentário

<< de volta ao início